quarta-feira, 9 de Julho de 2014

terça-feira, 10 de Junho de 2014

BESTIÁRIO, COM UMA ALUSÃO AOS HAIKU



“el tigre vocativo de mi verso/ es un tigre de símbolos y sombras”

J.L.Borges


 Para o João de Mancelos

 
O canto da cotovia na planície libertou

de tudo os olhos de Bashô, mais longe

no majestoso

albatroz, Walt Whitman

rente ao céu, tem um desejo azul

 
Depois o cântico lunar do grilo

que voa nos ouvidos de Alexandre

o nosso O’Neill

 
Por fim, da nossa infância

o destino branco

na baleia de Melville.

 
1-5-2014
©

HAIKU (Inédito)



No Outono as aves
fecham sobre o corpo as asas:
cansaço do Estio.
 
©

terça-feira, 4 de Junho de 2013

3 Traduções de Kobayashi Issa




Um mar de gente.
Atravessa-o empunhando
uma borboleta.

*

Como se desnudam
os ombros do caracol
diante da lua!

*

Ânimo, aranhas!
Apenas de quando em quando
eu limpo a casa.


© 

domingo, 12 de Maio de 2013

SOMBRAS NA PAREDE... e etc.

HAIKU

Sombras na parede
da caverna de Platão:
a vida em silêncio.

 ***

Modéstia do corpo:
a nudez duns seios nus
entre dois vestidos.

***

A pedra no lago,
parte, em círculos, um Narciso
que se vê ao espelho.
 

terça-feira, 9 de Abril de 2013

" Que vendaval! " * " Caiu o orvalho "


Que vendaval!
Vai um braço feminil
atrás do guarda-chuva.

*

Caiu o orvalho.
São as lágrimas da noite
perdida do amor.

©
7/4/2013



 

quarta-feira, 3 de Abril de 2013

Kobayashi Issa

Noche estival.
Ni las estrellas cesan
de cuchichear.

*

La mariposa
vino al jardín y se
marchó con otra.

*

Granos de arroz?
No, rocío cubriendo
mi parasol.